Voltar  Aumentar a fonte Reduzir a fonte
PRI - Faq

Perguntas Freqüentes (FAQ – Frequently Asked Questions)

pri marca Qual é o objetivo geral da iniciativa Princípios para o Investimento Responsável?
Os Princípios para o Investimento Responsável visam ajudar a integrar temas ambientais, sociais e de governança (ESG) nas tomadas de decisão de investimento e práticas de propriedade, e através disso, aperfeiçoar os retornos de longo-prazo aos beneficiários.
Como a implementação dos Princípios influenciará os retornos de investimento?
A implementação dos Princípios levará a uma compreensão mais completa de um conjunto de assuntos materiais e isso deverá, em última instância, resultar em aumento de lucros e diminuição de riscos. Há uma crescente evidência de que as questões de ESG podem ser materiais para o desempenho das carteiras, particularmente em longo prazo. Os signatários do PRI também são parte de uma rede, com oportunidades para reunir recursos e influência, baixando os custos e aumentando a eficiência da pesquisa e as práticas ativas de propriedade. A iniciativa também apóia os investidores a trabalharem juntos a fim de se voltarem para os problemas sistêmicos que, corrigidos, podem levar a condições de mercado mais estáveis, responsáveis e lucrativas, de modo geral.
Quais as implicações do papel fiduciário?
Os Princípios são baseados na premissa de que assuntos de ESG podem afetar o desempenho de investimentos e que a consideração apropriada desses assuntos é parte da garantia de lucros melhor ajustados ao risco e, portanto, está firmemente dentro dos limites do papel fiduciário dos investidores. Os Princípios afirmam claramente que eles devem ser aplicados somente de modo consistente com essas obrigações.
Qual a relação entre os Princípios e o Investimento Socialmente Responsável (SRI)?
Os Princípios foram elaborados para serem compatíveis com o estilo de investimento das grandes e, freqüentemente diversificadas, instituições que operam no sistema fiduciário tradicional. Os Princípios são aplicáveis a toda classe de investidores e não estão destinados somente aos produtos de SRI. Entretanto, os Princípios indicam uma série de práticas – tais como a propriedade ativa e a incorporação de elementos de ESG nas análises de investimento – que são comumente adotadas por fundos de governança corporativa e atores de SRI.
Os Princípios excluem ou fazem triagem de certas empresas ou setores?
Não. Os Princípios sugerem uma política de engajamento das empresas, mais do que a triagem ou a não aquisição de ações com base nos critérios de ESG (ainda que isso possa ser uma abordagem adequada para alguns investidores). Os Princípios são geralmente designados para investidores de grande porte, amplamente diversificados e que possuem grande participação em empresas, com freqüência tornando a exclusão ou triagem impraticáveis.
Qual o significado disso para a cadeia de fornecedores de investimentos?
Para que os investidores institucionais façam os Princípios funcionarem, eles necessitarão encorajar uma mudança na forma como seus agentes incorporam as questões de ESG em seus processos. Os Princípios 1 e 4 têm algumas sugestões sobre como isso pode ser realizado. Também é provável que a cadeia de fornecedores – gestores de fundos, analistas e consultores – responda aos Princípios oferecendo produtos e serviços para auxiliar na implementação.
Como os Princípios ajudarão os investidores em seu trabalho cotidiano?
O PRI oferece aos investidores uma ferramenta de alto nível que possibilita a integração das questões de ESG nas decisões de investimento. Tendo em vista que os signatários elaboram políticas e procedimentos para promoverem essa integração, o Secretariado do PRI estará a postos para auxiliar os investidores na implementação de tais Princípios. Os signatários também terão acesso a oportunidades colaborativas, direcionamento ao se referirem a questões de ESG e redes que de outro modo estariam indisponíveis. O PRI também estimulará a pesquisa sobre os impactos dessas questões nos investimentos, levando a uma maior gama de produtos e serviços para os investidores.
Quem pode aderir?
Existem 3 principais tipos de signatários: (É esperado um compromisso das mais altas lideranças da organização por todo o negócio de investimento)

Detentor de Ativos: Organizações que representam, em última análise, detentores de poupança para aposentadoria, seguros e outros ativos de longo prazo. Exemplos: fundos de pensão, fundos de reserva governamental, fundações, legados, seguradoras e resseguradoras além de organizações depositárias. Esta é a principal categoria de signatário.

Gestor de Investimentos: Instituições de investimentos que atendem ao mercado institucional e/ou de varejo e administram investimentos como terceirizados.

Prestador de Serviços: Organizações que oferecem produtos ou serviços para detentores de ativos e/ou gestores de investimentos. Embora esses agentes não estejam formalmente no controle desses ativos, eles exercem considerável influência sobre como seus clientes percebem questões de ESG. Para esse grupo, tornar-se signatário é um reconhecimento da relevância que questões de ESG têm na gestão de investimentos. Também representa o compromisso de fornecer e promover serviços que apóiem a implementação dos Princípios pelos clientes e o aperfeiçoamento de tais serviços ao longo do tempo.

Os signatários auto-selecionam a categoria na qual se encaixam, mas a diretoria do PRI detém o direito de determinar qual a categoria é adequada. Enquanto as categorias não são designadas a serem demasiado prescritivas, a regra geral é que um investidor seja considerado um detentor de ativos mais do que um gestor de investimento se gerenciar mais os seus fundos do que o dos clientes terceirizados.
É possível aderir ao PRI considerando apenas a parte do meu portfólio de investimentos que atende ao SRI ou às práticas de ESG?
Não. O objetivo é que os Princípios sejam integrados à lógica de investimento e às práticas dos detentores de ativos, permeando as atividades de investimento da organização como um todo. Os Princípios não são somente aplicáveis à uma linha específica de produto. Eles foram elaborados para gerar um comprometimento desde a mais relevante liderança até todos os outros setores das práticas de investimento. É sabido que esse processo poderá levar algum tempo, mas acredita-se que os Princípios serão efetivamente relevantes somente caso haja um comprometimento das organizações como um todo.
Se nos encaixamos em múltiplas categorias, as unidades desses negócios podem assinar de forma independente?
Solicitamos aos mais altos níveis da empresa, inclusive em nome das subsidiárias, que assinem em nome da organização como um todo. A categoria de signatário dependeria de quais destes negócios é o maior. No entanto, nos casos onde diferentes negócios são conduzidos de forma independente, é possível assinar por categorias diferentes de negócios como detentor de ativos, gestor de investimentos ou prestador de serviços.
A adesão implica comprometimento financeiro?
Não há taxa compulsória associada a adesão dos Princípios. Contudo, há uma taxa voluntária sugerida de USD 10.000 a fim de auxiliar o trabalho do Secretariado na promoção dos Princípios e na cooperação com os demais signatários.
Quais serão os recursos necessários para a implementação dos Princípios?
Cada investidor irá escolher como implementar os Princípios, e essas escolhas definirão quais recursos serão necessários para tal. No mínimo, as instituições devem alocar tempo suficiente de sua equipe para entender apropriadamente os tipos de atividades que são sugeridas nos Princípios, investigar a forma como outros investidores as estão usando e iniciar a implementação do processo.
O que acontece se assinarmos, contudo sentirmos dificuldade em estar em conformidade?
Não há sanções legais ou regulatórias associadas aos Princípios. Eles foram elaborados para serem aderidos voluntariamente. Entretanto, é necessário considerar os riscos de reputação caso haja adesão aos Princípios sem sua real implementação. Os compromissos são, para a maioria dos signatários, um trabalho em progresso e uma direção a ser seguida, em vez de uma lista prescrita a ser obedecida. O foco inicial está na inovação, colaboração e aprendizado no cumprimento. O Relatório Anual do PRI e a Pesquisa de Avaliação irão auxiliar na avaliação de seu progresso. O requisito mínimo para a permanência de um signatário é a participação na pesquisa através da ferramenta, demonstrando melhoria contínua.
Quem governa os Princípios para o Investimento Responsável?
O PRI é governado por um grupo de 13 indivíduos, formado por 11 signatários eleitos, detentores de ativos, e dois representantes das Nações Unidas oriundos do Programa do Meio- Ambiente das Nações Unidas e do Pacto Global das Nações Unidas. Maiores detalhes poderão ser obtidos na Constituição do PRI, disponível no Secretariado.
Que diferença os Princípios farão no mundo?
Enquanto estes Princípios são projetados para fortalecer os retornos de longo prazo aos beneficiários, sua implementação também focará maior atenção nas questões de ESG por meio dos setores de investimento e coorporativo. Novas pesquisas e melhores métricas serão desenvolvidas para dar apoio aos investidores na medida em que se tornem proprietários ativos. Motivados a adotar uma abordagem mais sistemática na gestão das questões de ESG, a gestão coorporativa terá mais interesse nessas ferramentas extra-financeiras de risco e recompensa, que definirão a lucratividade coorporativa a médio e longo prazo. O PRI também estimulará a crescente propriedade ativa nas questões de ESG pelos investidores. Sendo assim, os Princípios para o Investimento Responsável contribuirão para a melhor atuação coorporativa nas questões ambientais, sociais e de governança.
 
Topo da página
 

Fundação Banco Central de Previdência Privada

SCN - Quadra 2 - Bloco A - Ed. Corporate Financial Center - 8º andar - CEP 70712-900 - Brasília - DF ouvidoria@centrus.org.br - 0800 704 0494